Destinos inteligentes - Divulgação em parceria com o Ministério do Turismo

Como se espalha a histeria coletiva – Entendendo o momento atual

Como se espalha a histeria coletiva – Entendendo o momento atual. Quando ouço a música “Admirável Gado Novo” do poeta Zé Ramalho, percebo claramente o quanto os “meios de comunicação de grande massa” desinformam e criam um pânico generalizado sem precedentes. Neste feriadão de final de ano vi gente correndo na praia de máscara (respirando CO2), tomando banho de praia de máscara, pedalando de máscara e até na piscina de máscara. Além disso, todos vemos gente dirigindo sozinhos ou em família, com  máscaras!!!!
De fato, uma verdadeira vida de gado.  Isso sem contar aqueles que estão em casa. Não saíram pra nada e mesmo assim de contaminaram. Trata-se de uma histeria coletiva, ou “doença sociogênica em massa”, é fascinante. Casos de histeria coletiva são documentados desde a Idade Média. Deixe-me mencionar apenas alguns dos casos mais recentes.
Como se espalha a histeria coletiva - Entendendo o momento atual
Como se espalha a histeria coletiva – Entendendo o momento atual – Fotos: Divulgação
Quando uma peça de rádio de Orson Welles, Guerra dos Mundos, foi transmitida em 1938, logo após o suspense do Acordo de Munique, a peça supostamente causou pânico entre seus ouvintes, que pensavam estar sob o ataque de marcianos.
Outro caso intrigante é um episódio de uma série de televisão português chamado Morangos com Açúcar. No episódio, os personagens foram infectados por um vírus fatal. Após o programa, mais de 300 alunos relataram sintomas semelhantes aos vivenciados pelos personagens do programa de TV, como erupções na pele e dificuldade para respirar. Algumas escolas até fecharam. O Instituto Nacional de Emergências Médicas de Portugal concluiu que o vírus não existia na realidade e os sintomas eram causados ​​por histeria coletiva.
Da mesma forma, no vôo 203 da Emirates em setembro de 2018, dezenas de passageiros começaram a acreditar que estavam doentes após observar outros passageiros com sintomas semelhantes aos da gripe. Como consequência do pânico, todo o vôo foi colocado em quarentena. No final, apenas alguns passageiros tiveram um resfriado comum ou uma gripe sazonal.
É bem sabido que existem efeitos nocebo, que são opostos aos efeitos do placebo. Devido ao efeito placebo, uma pessoa se recupera de uma doença porque ela espera se recuperar. Ao contrário, quando sofremos o efeito nocebo, adoecemos apenas porque esperamos adoecer.[1] Em uma profecia autorrealizável, a expectativa pode causar o sintoma. A ansiedade e o medo exacerbam esse processo.[2]
A histeria coletiva pode causar sintomas nas pessoas. Além disso, a histeria, seja ela coletiva ou não, faz com que as pessoas se comportem de maneiras que pessoas prudentes não afetadas pela histeria considerariam absurdas. Está aberto para pesquisas empíricas investigar se e em que extensão o mundo tem sofrido histeria coletiva durante a epidemia de covid-19.[3] Todos nós vimos pessoas acumulando papel higiênico, usando máscaras enquanto dirigiam sozinhas ou ouvimos histórias de pessoas que praticamente não saíram de suas casas por meses. Também conhecemos pessoas que têm medo do vírus, embora seu próprio risco de morte seja minúsculo.
Embora a investigação da possibilidade de uma histeria corona coletiva seja certamente interessante, gostaria de me concentrar aqui em outra questão mais fundamental. Ou seja, até que ponto a existência do Estado pode exacerbar as histerias coletivas. Certamente, pode haver casos de histeria coletiva em uma sociedade livre, devido ao viés de negatividade do cérebro humano. Nós nos concentramos em notícias negativas e sofremos estresse psicológico quando pensamos que não temos controle. Isso pode acontecer também em uma sociedade livre, quando prevalecem notícias negativas. Ainda assim, em uma sociedade livre existem certos mecanismos e limites autocorretivos que tornam mais difícil para uma histeria coletiva sair do controle.
Como mecanismo corretivo, existem estratégias bem conhecidas para reduzir o medo e a ansiedade. Em uma sociedade livre, as pessoas são livres para fazer uso dessas estratégias. Pode-se liberar a tensão do corpo por meio de esportes e exercícios. Além disso, é essencial se distrair das notícias negativas e se socializar. Em uma sociedade livre, essas distrações são abundantes.
É verdade que a histeria pode levar as pessoas a infligir enormes danos a si mesmas e aos outros. No entanto, em uma sociedade livre, existe um limite essencial para a destruição causada pela histeria coletiva e esses são os direitos de propriedade privada. Em uma sociedade livre, a histeria coletiva não pode levar a uma violação massiva dos direitos de propriedade privada pelo Estado simplesmente porque o Estado não existe.
Além disso, enquanto qualquer pessoa com histeria de saúde pode fechar voluntariamente seu negócio, usar uma máscara ou ficar em casa, em uma sociedade livre ninguém pode forçar os outros, que não sucumbem à histeria, a fechar seus negócios, usar máscaras ou quarentena. Uma pequena minoria que continua a viver sua vida normal e é livre para fazê-lo pode ser um alerta para aqueles que sucumbiram à histeria coletiva, especialmente os casos limítrofes. Imagine que um pequeno grupo de pessoas continua a fazer compras, a trabalhar, a respirar livremente, a encontrar-se com amigos e familiares e não morre. Então, outros podem seguir seu exemplo e o grupo de histéricos diminui.
Embora a destruição infligida pela histeria coletiva seja limitada pelos direitos de propriedade privada em uma sociedade livre, tais limites não existem quando há um Estado. [4] Na verdade, um grupo bem organizado que sucumbiu à histeria coletiva pode obter o controle do aparelho de Estado e impor medidas ao resto da população e infligir danos inauditos. A possibilidade de histeria coletiva é uma razão importante pela qual a instituição do Estado é tão perigosa.
Além disso, embora em uma sociedade livre existam mecanismos que reduzem o pânico coletivo, a histeria coletiva pode ser exacerbada pelo Estado por várias razões:
Em primeiro lugar, o Estado pode e, como é o caso da epidemia covid-19, proíbe e restringe as atividades que reduzem medo e ansiedade, como esportes e diversão. O Estado na verdade promove o isolamento social, contribuindo para a ansiedade e tensão psicológica, ingredientes que estimulam a histeria coletiva.
Em segundo lugar, o Estado adota uma abordagem centralizada para lidar com a fonte da histeria; no nosso caso, a ameaça percebida por um vírus. Como consequência, não há nenhuma ou há muito pouca experimentação para resolver o problema, porque o Estado impõe sua solução. Pessoas que não sucumbiram à histeria e se opõem à abordagem do Estado são reprimidas. Elas não podem demonstrar formas alternativas de enfrentar a “crise”, porque essas formas alternativas são proibidas pelo Estado. Como consequência, o pensamento de grupo aumenta e a histeria se alimenta, pois nenhuma alternativa é mostrada às pessoas.
Terceiro, em um Estado, a mídia é frequentemente politizada. Os meios de comunicação e as plataformas de mídia social mantêm relações estreitas com o Estado. Os meios de comunicação podem ser de propriedade direta do Estado, como canais de TV públicos, podem precisar de licenças estatais para operar, podem buscar agradar agências estatais ou simplesmente empregar pessoas que foram educadas em escolas estatais. Essas agências de notícias e plataformas de mídia social se envolvem em massivas campanhas de notícias negativas, intencionalmente assustam as pessoas e suprimem informações alternativas. Se as pessoas ouvirem, assistirem ou lerem histórias negativas e unilaterais durante todo o dia, seu estresse psicológico e ansiedade aumentam. A histeria coletiva patrocinada por um setor tendencioso da mídia pode ficar fora de controle.
Quarto, notícias negativas de uma fonte confiável são especialmente prejudiciais para a saúde psicológica e produzem ansiedade. Se existe na sociedade uma instituição de poder total como o Estado que intervém na vida das pessoas desde o nascimento até a morte[5], as declarações de seus representantes ganham peso. Muitas pessoas atribuem grande autoridade a esses representantes e às advertências das instituições estatais. Portanto, quando um médico como Anthony Fauci fala em nome do Estado e diz às pessoas para se preocuparem e usarem máscaras, torna-se mais fácil desenvolver uma histeria coletiva do que seria em uma sociedade descentralizada.
Quinto, o Estado às vezes deseja ativamente instilar medo na população, contribuindo assim para a produção de histeria coletiva. Na verdade, durante os primeiros meses da epidemia de corona, um documento interno do Departamento do Interior da Alemanha vazou para o público. No estudo, os especialistas recomendam que o governo alemão instale o medo na população alemã. O artigo recomenda aumentar o medo por meio de três medidas de comunicação. Em primeiro lugar, as autoridades devem enfatizar os problemas respiratórios dos pacientes covid-19, porque os seres humanos têm um medo primordial da morte por asfixia que pode facilmente desencadear o pânico.
Em segundo lugar, o medo também deve ser instilado nas crianças. As crianças podem ser infectadas facilmente quando se encontram com outras crianças. Elas deveriam ser informados de que, quando elas, por sua vez, infectassem seus pais e avós, estes poderiam sofrer uma morte dolorosa em casa. Essa medida pretende invocar sentimentos de culpa. Terceiro, as autoridades devem mencionar a possibilidade de danos irreversíveis de longo prazo desconhecidos após uma infecção corona e a possibilidade de morte súbita de pessoas que já foram infectadas. Todas essas medidas visavam aumentar o medo na população. O medo, afinal, é a base do poder de todo governo.
Como H.L. Mencken colocou: “Todo o objetivo da política prática é manter a população alarmada (e, portanto, clamando para ser conduzida à segurança), ameaçando-a com uma série infinita de monstros, todos eles imaginários”.
Resumindo: a histeria coletiva é possível em uma sociedade livre, mas existem mecanismos de autocorreção, e o dano que essa histeria pode infligir é limitado pela aplicação dos direitos de propriedade privada. Pelo contrário, o Estado amplifica e exacerba o pânico coletivo, causando uma devastação tremenda. O que são surtos locais, limitados e isolados de histeria coletiva em uma sociedade livre, o Estado pode converter em uma histeria coletiva global.
Infelizmente, não há limite para o dano que a histeria coletiva pode causar à vida e à liberdade se tomar conta do governo, já que o Estado não respeita a propriedade privada. A violação inescrupulosa das liberdades básicas durante a epidemia corona é um exemplo disso. Portanto, a possibilidade de histeria coletiva é outra razão pela qual o Estado é uma instituição tão perigosa de se ter.
Notas:
[1] Em um caso famoso, um homem tentou suicídio. Ele pensou que estava engolindo vinte e nove cápsulas de uma droga experimental. No entanto, elas eram na realidade placebos. Mas ele estava pensando que se mataria. Ele chegou ao hospital com pressão arterial extremamente baixa e outros sintomas graves. Quando o médico do ensaio clínico chegou e lhe disse que ele havia tomado apenas placebos, o homem se recuperou em quinze minutos.
[2] Durante a gripe espanhola, o pânico contribuiu para mortes que de outra forma não teriam ocorrido.
[3] Lembre-se de que a pressão psicológica e a ansiedade sofrida pela população durante as quarentenas foram enormes.
[4] Para a psicologia das massas e sua irracionalidade, ver a obra clássica de Gustave Le Bon.
[5] Um ponto relacionado diz respeito às consequências que vêm com uma população que deixou de acreditar em Deus e passou a acreditar no Estado. Quando as pessoas se afastam da religião e param de acreditar em uma vida após a morte, elas começam a temer mais a morte. Um forte medo da morte é outro fator que contribui para o pânico, os distúrbios e a histeria coletiva. Como disse Erik von Kuehnelt-Leddihn: “É difícil temer a morte se alguém for muito piedoso. É difícil não adorar a saúde se a pessoa teme a morte. É difícil garantir a saúde geral sem a intervenção do Estado em grande escala e é igualmente difícil imaginar um aumento da intervenção do Estado sem perda de liberdades.” The Menace of the Herd or Procrustes at Large (Milkwaukee, WI: Bruce Publishing Company, 1943), pp. 38-39.

Leia ainda: Boletim Almanach com dados do turismo catarinense é lançado pela Santur

Como se espalha a histeria coletiva - Entendendo o momento atual
turismoonline.net.br – O portal do turismo, hotelaria, gastronomia, cultura, destinos e viagens – Anuncie aqui: colunaonline@gmail.com

Siga este jornalista e fotógrafo no Instagran: @jeff_severino

No Youtube também!
Fotos: Divulgação / Jefferson Severino / Assessorias de Imprensa / Arquivos Pessoais
Fontes:  Assessoria de Imprensa 01 e 02

Leia mais:

Boletim Almanach com dados do turismo catarinense é lançado pela Santur

Tecnologia: Segurança e praticidade em ambientes de grande circulação

Fortalecendo o mercado turístico interno no Estado de Santa Catarina

R$ 134 milhões em investimentos para temporada de verão em Santa Catarina

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *