Vinicius Lummertz - Turismo on line

Liberdade e verdade, por Vinicius Lummertz

Em discurso da vitória, as palavras “liberdade” e “verdade” foram termos enfatizados

 

liberté egalité e fraternité - Turismo on line

 

A violência, a educação precária, o custo Brasil, a escassez de oportunidades, o dogmatismo ideológico e o isolamento do país no contexto global usurparam do brasileiro o seu direito mais básico: a liberdade. Baruch Espinoza, já no século 17, sustentava que a liberdade tem relação com a própria natureza do ser e significa, em última instância, a realização do homem.

Ao usar 11 vezes o termo liberdade no discurso de vitória, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, tocou num ponto central há muito esquecido no Brasil. A repercussão, no entanto, ficou aquém da importância histórica e simbólica do termo e da ênfase dada ao mesmo. Parece que o país não teve repertório suficiente para compreender a força da mensagem e todos os seus desdobramentos.

Não por acaso o liberté vem antes do egalité e fraternité no lema pelo qual dezenas de milhares de franceses lutaram até a morte no fim do século 18. Não há que se falar em igualdade e fraternidade sem antes garantir a liberdade. Também não é coincidência o país apontado como a maior democracia do mundo, destino mais desejado pelos migrantes do planeta, ter como seu principal ícone uma estátua que leva no nome esse princípio que permeia toda a existência humana. O presidente eleito citou expressamente liberdade do ir e vir, de se expressar, de fazer escolhas, de empreender.

As manifestações de 2013, quando centenas de milhares de pessoas foram às ruas protestar foram, em última instância, exatamente sobre liberdade. Um dos líderes do movimento afirmou “não me venham com rótulos de direita ou esquerda, de partidos políticos. Sou um jovem que viajou para fora, vi que lá as coisas funcionam e quero o mesmo aqui”. O item número 1 de desejo do brasileiro que viaja para o exterior é exatamente o sentimento de poder caminhar tranquilamente pela Champs Elysées, Rambla, Piccadilly Circus ou 5ª Avenida. De poder pagar um preço justo por um produto que no seu país custa duas, às vezes 3 vezes mais. De poder ter acesso a entretenimento de alto nível.

Estamos perdendo os nossos jovens para o tráfico, a violência ou para nações mais desenvolvidas que já entenderam toda a dimensão do termo liberdade. Pesquisa recente indicou que 62% dos brasileiros entre 16 e 24 anos se mudariam para o exterior. Num passado não muito distante foi o contrário. O mundo se encontrava no Brasil da Bossa, ou antes, na Semana da Arte Moderna. Era uma alternativa ao American Dream. Houve um Brazilian Dream. O país era um mosaico de vários mundos que acreditavam e trabalhavam por um futuro melhor.

De lá para cá, mesmo com a abertura nos anos 1990, o Brasil se transformou num país ensimesmado, um local infenso às novas ideias, porque não convive com elas. No estudo de competitividade do turismo elaborado pelo Fórum Econômico Mundial aparecemos na 96ª colocação no quesito “Abertura internacional”, num ranking com 136 países.

Outra palavra enfatizada pelo presidente eleito foi “verdade”. Após mais de uma década de hegemonia da esquerda no país, é preciso reanalisar alguns conceitos postos como absolutos. O resultado das urnas pede uma atitude mais pragmática dos líderes. Menos discussões filosóficas intangíveis, mais ação concreta focada em resultado. Chega de querer empregos e ser contra as empresas, de manter um Estado que gera um déficit público nominal de R$ 562,8 bilhões e lutar contra a reforma da Previdência, de querer serviços públicos de padrões britânicos sem antes discutir quem vai pagar a conta.

A verdade é necessária para estabelecer um pacto em prol do desenvolvimento. Só com ela é possível escolher os melhores caminhos a se percorrer. “Liberdade” talvez a palavra mais importante da história política da humanidade, não parece constar do nosso léxico político. Mas mesmo sem chamá-la pelo nome, ela foi demandada. O desafio agora é conquistar a atenção e compreensão da audiência, e finalmente chamá-la ou reconhecê-la pelo nome.

Vinicius Lummertz Silva, 58 anos, é formado em Ciências Políticas pela Universidade Americana de Paris, fez pós-graduação na Kennedy School, da Harvard University. É ministro desde abril de 2018 e foi presidente da Embratur entre junho de 2015 e abril de 2018, e foi Secretário Nacional de Políticas de Turismo de setembro de 2012 a maio de 2015.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *