Vila do Saber Abav Expo - Turismo on line

Painel da Vila do Saber reuniu empreendedores que militam no segmento

ABAV Expo traz importância da inclusão no turismo

 

Abav Expo 2018 - Turismo on line

 

A 46ª edição da ABAV Expo Internacional de Turismo e 50º Encontro Comercial Braztoa trouxe para a Vila do Saber um painel sobre turismo inclusivo, que contou com a participação de empresários que militam por este segmento.Luciana Paulino, fundadora da Black Bird, abriu o debate contando um pouco sobre como o negro não está inserido no turismo no Brasil, principalmente na publicidade, mesmo sendo 53,5% da população do país. Por isso, ela criou a Black Bird, que tem como foco formar um público negro consumidor de turismo. “Fazemos isso com informação. Viajar é uma experiência transformadora. Por que não pode ser inclusiva?”, questionou.

 

Abav Vila do Saber - Turismo on line

 

Na opinião de Fátima Monteiro, fundadora da agência Acessible Tour, a acessibilidade é fundamental para todos os segmentos do turismo, sejam eles quais forem. Ela ainda mostrou todo o potencial do turismo acessível. “Temos, hoje, 45 milhões de pessoas no Brasil com alguma deficiência, sendo 66%, pelo menos, com renda potencial para viajar quando atendidos de forma adequada”, salientou. Criador do Trampolim Startup Café, que fica dentro do Ibis Budget SP Paulista, João Clímaco trouxe um conceito interessante para seu negócio: ele só contrata por meio de ONGs de inclusão, como refugiados e primeiro emprego, além de ter em seus fornecedores apenas nano e micro produtores da região. Com um consumo mínimo, também é possível usar o estabelecimento como espaço de coworking o dia todo. “Acredito que a inclusão tem que ser em toda a cadeia e não apenas nos turistas”, disse.

 

Vila do Saber Abav Expo - Turismo on line

 

Para completar o time de especialistas, Carlos Escalona, refugiado venezuelano que trabalha no Trampolim Startup Café, contou a sua experiência aos presentes. “Sou jornalista e vim para o Brasil por perseguição política. Não tinha ideia de que poderia trabalhar com algo que não era minha profissão, porém sou muito grato. Nós, migrantes, temos que aproveitar as oportunidades que aparecem e fazer o nosso melhor”, finalizou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *